segunda-feira, Março 05, 2007

Cantigas de Amigo - D.Dinis e João Zorro


Constituem a variedade mais importante e original da nossa produção lírica da Idade Média, estas composições que se enquadram na poesia trovadoresca, mas que incluem a particularidade de conferirem estatuto de enunciação à mulher, embora sejam sujeitos masculinos a compô-las.
Um tipo peculiar de cantigas de amigo é o das paralelísticas, que aliam uma simplicidade de motivos e recursos semânticos ao elaborado arranjo da sua expressão, através de um esquema de repetitividade que enriquece o sentido pelo tom de litania e sugestão encantatória, muitas vezes magoada, perplexa ou interrogativa, que cria. Típicas da poesia galaico-portuguesa, encontram-se também nas cantigas de amor e noutras variedades poéticas medievais, persistindo até muito tarde na literatura medieval. O rei D. Dinis é um dos seus mais famosos cultores:



Ai flores, ai flores do verde pinho

se sabedes novas do meu amigo,

ai deus, e u é?


Ai flores, ai flores do verde ramo,

se sabedes novas do meu amado,

ai deus, e u é?


Se sabedes novas do meu amigo,

aquele que mentiu do que pôs comigo,

ai deus, e u é?


Se sabedes novas do meu amado,

aquele que mentiu do que me há juradoai deus,

e u é?


(...)

D. Dinis - O Lavrador! O Rei-Agricultor! O Rei-Poeta! O Rei-Trovador!

João Zorro, poeta do mar como Martim Codax, é autor de uma barcarola célebre, em composição também paralelística:


Em Lixboa sobre lo mar

barcas novas mandei lavrar,

ay mia senhor velida!


Em Lisboa sobre lo lez

barcas novas mandei fazer,

ay mia senhor velida!


Barcas novas mandei lavrare no mar as mandei deitar,

ay mia senhor velida!


Barcas novas mandei fazere no mar as mandei meter,

ay mia senhor velida!


João Zorro

Sem comentários: